Mato Grosso do Sul é referência do Ecoturismo brasileiro e atrai mais de 500 mil visitantes/ano

Vai longe o tempo em que o turista escolhia o Estado com objetivo específico: pescar e levar para seus destinos de origem alguns das 300 espécies da Bacia do Pantanal.  Um dos fatores que mudou esta realidade foi uma novela de grande sucesso chamada Pantanal, veiculada na TV Manchete nos anos 1990 responsável por mostrar toda a natureza exuberante, além dos usos e costumes pantaneiros. A influência foi tamanha que poucos anos depois, proprietários de grandes fazendas resolveram transformar suas sedes em Pousadas para receber hóspedes que buscavam uma experiência. Era o início do ecoturismo, modalidade que atrai em média mais de 500 mil visitantes por ano.

 

Um dos pioneiros nesta modalidade, o senhor João Venturini, dono de quatro propriedades em Bonito e região, diz que o destino é Bonito/Pantanal. “Quem vai à Bonito acaba indo conhecer o Pantanal e vice-versa”, atesta o empresário que há 47 anos está no ramo do ecoturismo. Seu primeiro empreendimento, conhecido como Passo do Lontra, hoje conta com uma base de pesquisa da UFMS, a Base de Estudo do Pantanal que tem, inclusive parcerias com entidades estrangeiras.

 

Jacaré tomando sol no Pantanal, a vocação do Ecoturismo que atrai pessoas do mundo todo que vêm para contemplar as belezas da região

 

Segundo dados do Observatório do Turismo entre outubro de 2018 e agosto de 2019 desembarcaram no aeroporto de Campo Grande 891.295 turistas, significando um aumento de 5% no crescimento do setor. E a tendência é de crescimento. Vir a Mato Grosso do Sul não é fazer apenas mais uma viagem. É buscar uma experiência única. Afinal somos o único Estado brasileiro que possui quatro biomas: cerrado, chaco paraguaio, pantanal e Mata Atlântica. De acordo com o diretor-presidente da Fundtur – Fundação de Turismo de MS, Bruno Wendling, a identidade turística de Mato Grosso do Sul é formada pelos principais ativos naturais e culturais, que passa pelos principais destinos que possuem estes atrativos. “Bonito e Pantanal são a vitrine do Estado”, diz.

 

Ecoturismo

 

O ecoturismo”, segundo ele, se desdobra em outras atividades como turismo de aventura, turismo de observação, contemplação de aves, safáris, hotéis fazenda no Pantanal, pesca esportiva, todos abarcados à natureza. A cultura pantaneira, na opinião de Wendling, turismólogo por formação, é a base diferencial e competitiva dos nossos produtos de ecoturismo. “Vivenciar o dia a dia do homem pantaneiro, seu trabalho, costumes e gastronomia é algo único e exclusivo”, afirma.

 

Campo Grande é uma capital verde, que consegue entregar também atributos da natureza com estrutura e oferta que atende perfeitamente a demanda turística

 

O turista que chega ao Estado sabe que vai encontrar um destino com atributos singulares. Afinal temos um bioma extraordinário que é o Pantanal, com 85% de área preservada, aliado à beleza e águas cristalinas da região de Bonito e Serra da Bodoquena, na soma dos parques na região da Rota Norte, agora chamado de Rota Serrado Pantanal e agora focado em esportes de aventura. Não por acaso, Bonito e Campo Grande foram palcos de uma das mais importantes competições esportivas o Rally dos Sertões. Campo Grande, aliás, é uma capital verde, que consegue entregar também atributos da natureza com estrutura e oferta que atende perfeitamente a demanda turística.

 

Voando mais alto

 

Com o crescimento de turistas obtido em 2018, o Estado segue realizando transações para expandir a malha aérea, dentre eles, há negociações para retomar o voo diário com direção a Foz do Iguaçu e também, conversas com uma lowcost chilena. Segundo dados do Anuário 2019 do Observatório do Turismo de MS, a Bolívia é o maior mercado emissor internacional do Mato Grosso do Sul por via terrestre com 55.041 visitantes em 2016, 62.251 em 2017 e 57.753 em 2018.

 

Com aumento na demanda de passageiros, o Governo do Estado está atraindo mais companhia aéreas e abrindo mais voos para Mato Grosso do Sul

 

“Como destino de experiência e exclusividade temos grande chance de despontar neste cenário, somado a promoção de atuação segmentada com foco”, explica Wendling que também aposta na nova rota Cerrado Pantanal para atrair mais turistas. Ele também espera que os parques estaduais ganhem mais infraestrutura e sejam concessionados com iniciativa privada. “O futuro é bem promissor, principalmente com as ações que estão sendo feitas pelo atual Governo”, festeja. E como a propaganda é a alma do negócio, a Fundtur tem participado ativamente das principais feiras de turismo, levando as belezas do Estado para o Brasil e o mundo, sempre acompanhado de parceiros e empresários do setor. Afinal, em matéria de economia, turismo é uma indústria sem fumaças e fonte de renda que só tende a crescer. “Estamos num momento muito especial, com grandes chances de aumentar a oferta turística do MS para outras regiões, fator importante não só para a nossa imagem turística, mas também para o aumento do impacto do turismo na economia local”, finaliza Wendling.

Brasil será destaque no Fórum de Economia de Turismo, em Macau, na China

O potencial turístico do Brasil será um dos destaques da 8ª edição do Fórum de Economia de Turismo Global (GTEF), realizado em Macau, na China, entre os dias 13 e 15 de outubro. Com o tema “Turismo e Lazer: Para uma vida melhor”, o evento reunirá os principais líderes mundiais, além de investidores e especialistas do setor. Nesta edição, o Brasil assume a cadeira de país convidado de honra, que foi ocupada no ano passado pela União Europeia.

 

“É com grande responsabilidade que assumiremos este importante lugar e mostraremos o porquê chegamos até lá. Temos uma capacidade turística imensa que já está movimentando a economia do país e gerando resultados positivos para o setor. Vamos continuar trabalhando para expandir ainda mais estes números, e a China é uma parceira estratégica para isso”, destacou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que chefiará a delegação brasileira durante o evento.

 

Além da abertura do Fórum 2019, Álvaro Antônio realizará encontros com empresários do setor com o intuito de atrair investimentos para o Brasil, gerando emprego e renda para a população. Infraestrutura, transporte, parques temáticos/naturais e resorts são as áreas prioritárias para buscar incentivos do mercado chinês. O ministro também se reunirá com os representantes da Organização Mundial do Turismo (OMT), do governo de Macau e com os organizadores do GTEF.

 

De acordo com os organizadores do Fórum, o potencial do Brasil vai muito além da economia e das belezas naturais, passando pela saborosa culinária regional, sons, culturas, entre outras características marcantes. O órgão internacional apontou ainda o país como um ótimo lugar para a realização de negócios, dando destaque para a cidade de São Paulo (SP).

 

Sobre a China

 

O país oriental é um dos que mais emitem turistas para o mundo. Hoje, dos mais de 141 milhões de chineses que viajam todo ano, cerca de 60 mil escolhem o Brasil como destino, tendo como principais motivações o turismo de negócios e o ecoturismo. Dados do Perfil da Demanda Turística Internacional, do Ministério do Turismo, mostram que os chineses movimentam, por dia, cerca de US$ 65. Destinos como São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Foz do Iguaçu (PR) e Manaus (AM) são alguns dos mais visitados por eles.

FITPAR: Mato Grosso do Sul estará em uma das mais importantes feiras de turismo do Paraguai

De 11 a 13 de outubro, o Governo o Estado, através da Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur-MS), participa de mais uma edição da FITPAR – Feira Internacional de Turismo do Paraguai. Considerada uma das mais importantes feiras de negócios daquele país, o evento é organizado pela Associação Paraguaia de Agências de Viagens e Empresas de Turismo (ASATUR) e tem o apoio da Senatur – Secretaria Nacional de Turismo do Paraguai.

 

Com a campanha “Para pessoas únicas, escolhas surpreendentes”, que faze parte da segunda fase do “VisitMS – você no seu melhor estado”, Mato Grosso do Sul tem o objetivo de promover, divulgar e consolidar os destinos turísticos do estado no mercado paraguaio. MS é referência em ecoturismo e tem como principais destinos as regiões de Bonito – Serra da Bodoquena, Pantanal e Campo Grande – Caminho dos Ipês.

 

Este ano o turismo de Mato Grosso do Sul fará parte, como co-expositor, do estande da Embratur para divulgar seus destinos turísticos entre as agências de viagens, operadores, profissionais de turismo do Paraguai e da América do Sul. MS irá expor os produtos turísticos, fazer contatos e negócios com empresas do setor e atendimento ao público final.

 

Entre os diversos seminários e shows culturais paralelos à exposição, o destaque é a palestra Gestão de Destinos Turísticos, ministrada Organização Mundial do Turismo (OMT). Segundo a organização, os principais objetivos da FITPAR é contribuir para alianças estratégicas entre os principais mercados da América Latina, além de promover a compra e venda de produtos, serviços e destinos turísticos.

 

Mercado Paraguaio

 

O Paraguai é hoje o 3º maior emissor de turistas internacionais, via terrestre, para Mato Grosso do Sul, segundo Anuário 2019 do Observatório de Turismo do MS. O país é também o 3º emissor sul-americano para o Brasil, com um total de 336.646 turistas em 2018, segundo dados do Anuário Estatístico de Turismo 2019 do Ministério do Turismo.

Último mês de pesca esportiva tem feriado prolongado e operação da Polícia Ambiental

O dourado está fazendo a festa do nosso turista”, comemora a empresária de turismo Joice Santana, de Corumbá, ao avaliar como “excelente” a atual temporada de pesca, que se finda no dia 5 de novembro – período da piracema –, com o retorno do “rei” do rio à bacia do Rio Paraguai. A moratória à espécie, decretada pelo Estado, é um indicador da importância do pesque-solte na preservação do estoque pesqueiro.

 

Com a pesca esportiva liberada por mais 30 dias nos rios de Mato Grosso do Sul, barcos-hotéis, pesqueiros e pousadas estão com lotação máxima e o setor tem uma expectativa de manter o fluxo de pescadores para 2020. A nova legislação da pesca amadora, que entra em vigor em 1º de janeiro do próximo ano, estabelecendo a cota zero para as principais espécies, não vai impactar a atividade no Estado. Ao contrário, a adesão do pescador é quase unânime.

 

“Os meus clientes apoiam em cem por cento a cota zero e estão renovando as reservas para o próximo ano”, diz Joice, cuja agência opera com turismo de pesca no Rio Paraguai há mais de 20 anos e hoje conta com uma frota de onze barcos-hotéis. “O dourado tem sido o peixe mais fisgado e isso demonstra que a proibição da captura de outras espécies será bom para todos, principalmente para o Pantanal”, sustenta. “Vamos ter um 2020 muito bom de pesca.”

 

Marju Venturini: “governo e trade não estão sozinhos pela conservação”. Foto: Edemir Rodrigues

 

Pescador consciente

 

O otimismo do trade reflete a satisfação do pescador em fisgar grande exemplar de um dourado, pacu, jau ou pintado, fato raro nos anos anteriores. Marju Venturini, do Parque Hotel Passo do Lontra (Corumbá), classifica a temporada como uma das melhores da década e projeta mais turistas no próximo ano com o advento da cota zero. “Estamos lotados em outubro, o turista está engajado no pesque-solte e o movimento vai dobrar em 2020”, garante.

 

Para o empresário Áttila Lellis, da Pousada Inhuma, no distrito de Albuquerque (Corumbá), 2019 está sendo um ano de fartura de peixes e manteve o fluxo turístico, apesar da extensão das queimadas na região, cuja fuligem ainda incomoda os visitantes. “Muitos turistas compraram pacote de cinco dias e em três dias já conseguiram a cota (5 kg e mais um exemplar). A cota zero é uma questão de adaptação, vai pegar a partir do segundo ano”, comenta.

 

Hoje apoiador da nova legislação pesqueira, o empresário Marcos Aurélio Nunes, 51, dono de pousada em Porto Murtinho, também fez uma avaliação positiva da temporada de pesca e está com lotação completa para o último mês. “Voltamos a ter uma boa safra de peixe, o dourado tem garantido as melhores emoções e os pescadores estão fazendo reservas para o próximo ano”, diz, animado. “O pescador quer emoções, poucos estão tirando o peixe do rio.”

 

Pesca em família predomina nos rios: mulheres também aderem ao pesque-solte. Foto: Saul Schramm

 

Pescar em família

 

O Rio Paraguai é o principal polo pesqueiro do Estado, com um diferencial em relação às demais regiões tradicionais de pesca esportiva: as belezas naturais do Pantanal, entre Corumbá e Porto Murtinho. São mais de 800 km de rio para desfrute e as duas cidades oferecem uma das melhores estruturas de barcos-hotéis, onde o pescador tem toda comodidade – da isca ao uísque – e ainda goza do prazer de vivenciar um dos biomas mais preservados.

 

Há, ainda, uma variedade de locais para passar o dia na beira dos rios ou embarcado com amigos ou em família. Exemplo das corredeiras do Aquidauana, entre os distritos de Palmeiras (Dois Irmãos do Buriti) e Piraputanga (Aquidauana), cortando uma região de morraria que agora ganha a pavimentação, pelo Governo do Estado, da Estrada Ecológica. O mesmo Aquidauana passa por Corguinho (distante 100 km da Capital), onde fica o Poço do Jau.

 

Outros rios piscosos, com fácil acesso: Coxim e Taquari, na região Norte; o Paraná, divisa com São Paulo e Paraná; Dourados, Miranda, Abobral (Pantanal da Nhecolândia, com acesso pela Estrada-Parque, a MS-184)) e Piquiri (divisa com Mato Grosso). No Passo do Lontra (MS-184, acesso pela BR-262), em Corumbá, o Miranda recebe as águas do Aquidauana e atrai pescadores de todo o país. Tem boa estrutura de hospedagem e pesca, incluindo áreas de camping.

 

Mato Grosso do Sul é um dos principais destinos de pesca esportiva do País. Foto: Saul Schramm

 

PMA em operação

 

O período de defeso para reprodução dos peixes, abrangendo os rios da bacia do Rio Paraguai, se estende de 5 de novembro a 28 de fevereiro. Nestes quase quatro meses, as principais espécies comerciais dos rios do Estado (pacu, pintado, cachara, curimba e dourado) estão protegidas para fazer a longa viagem em direção às cabeceiras e se reproduzirem, espetáculo que ganhou o nome na língua tupi-guarani de “piracema” (saída de peixes).

 

Com a previsão de maior movimento de pescadores nos rios, por ser o último mês de pesca do ano e com o feriado prolongado, entre os dias 11 a 13, a Polícia Militar Ambiental (PMA) iniciou no último dia 1º a Operação Pré-Piracema, envolvendo 360 policiais em todo o Estado. O objetivo é intensificar a fiscalização, prevenindo e reprimindo a pesca predatória, além de combater outros crimes ambientais, como o tráfico de papagaios em período de reprodução.

 

Ao anunciar a antecipação da Operação Piracema, a PMA divulgou um balanço das apreensões, prisões e autuações ocorridas no mês de outubro de 2017 e 2018. De um ano para outro, as autuações (maioria por pesca ilegal) reduziram em 51,13%, com 38 prisões em 2018. A quantidade de pescado apreendido ficou entre 684 quilos (2017) e 605 quilos (2018). Os valores das multas por pesca predatória também foram semelhantes: R$ 87 mil e R$ 85 mil.

Celeiro Espaço Criativo recebe exposição que faz homenagem a Josenildo Suassuna

O Espaço Celeiro Criativo da Prefeitura Municipal de João Pessoa  recebe até o dia 3 de novembro a exposição O menino que Amava o Circo com pinturas de João Suassuna. A exposição é uma homenagem póstuma ao pintor que faleceu em julho de 2018. O Celeiro está localizado no Altiplano e funciona de segunda à sexta-feira, de 9h às 19h, e aos sábados das 10h às 18h.

 

O circo, que remete à infância do pintor no sertão, foi um tema recorrente em sua obra. Fascinado pela magia dos espetáculos, Josenildo repetiu as cenas do picadeiro como se ainda fosse o pequeno menino envolvido pelo clima do lugar.

 

Natural de Catolé do Rocha, Josenildo veio para João Pessoa em 1984, iniciando sua carreira artística no ano de 1988. Em 2002, ganhou prêmio Revelação na Bienal Nacional de Arte Naïf (Sesc-Piracicaba). Em 2007, foi convidado para participar da exposição “Descobrindo o Brasil Naïf – Brasília”.

 

Autodidata, expôs suas obras em Portugal, Rio de Janeiro, São Paulo, além de João Pessoa e Campina Grande. Em 2018, expôs Invisível Equilíbrio, no Centro Cultural Casa da Pólvora, abrindo a programação anual de artes visuais da Fundação Cultural de João Pessoa.

Brasil é destaque na maior feira de turismo da Argentina aberta ontem em Buenos Aires

De portas abertas ao público a partir desde ontem (05.10), a FIT América Latina reúne, em Buenos Aires, capital da Argentina, mais de 50 países até a próxima terça-feira (08.10). O objetivo é promover o turismo e demonstrar o potencial econômico do setor no mundo.

 

Com estandes próprios de mais de dez destinos turísticos, o Brasil marca presença na feira. A missão é, além de mostrar o potencial e diversidade cultural, ampliar ainda mais o fluxo turístico com a Argentina, o principal emissor de visitantes estrangeiros ao país.

 

Em 2018, o Brasil recebeu 2,4 milhões de turistas argentinos que injetaram US$ 1,625 bilhão na economia brasileira. Presente na abertura da FIT, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, ressaltou a importância da participação brasileira no evento para promover ainda mais intercâmbio turístico entre Brasil e Argentina, e também com o Mercosul. “Tratamos da conectividade aérea, de cruzeiros marítimos, que são fundamentais para a geração de emprego e renda para o nosso Brasil. Vamos fortalecer os laços para que esse trabalho, em conjunto, possa produzir resultados positivos para o Brasil e para a Argentina”, afirmou.

 

Álvaro Antônio também participou do desenlace da fita, cerimônia que marcou o início da feira, juntamente com o anfitrião e secretário de Turismo da Argentina, Gustavo Santos; com o presidente da FIT, Gustavo Hani; e com ministros de outros países do Mercosul.

 

Em um discurso emocionante e contundente, o secretário de Turismo da Argentina, Gustavo Santos, detalhou as principais ações e resultados do setor ao longo dos últimos anos no país. Os avanços em conectividade, abertura do mercado ao mundo, os fatores que levaram mais argentinos a viajar no próprio país e o desenvolvimento territorial foram apresentados ao público pelo secretário.

 

“Devemos pensar juntos para alcançar resultados. Pensar diferente não pode ser um obstáculo. Podemos sempre entrar em acordo, pois temos uma enorme responsabilidade. Com a tecnologia tomando o lugar do homem, será do turismo o maior posto de trabalho porque trabalhamos com gente, com sonhos, com empatia, em servir ao próximo”, ressaltou Santos.

 

O secretário afirmou ainda que o turismo precisa estar sempre associado à preservação ambiental e que ainda falta conectividade entre os países. Ele ainda complementou que atualmente já é possível aliar segurança com facilitação de procedimentos, principalmente na imigração, tornando o processo mais ágil.

 

“Queremos tornar nossos destinos turísticos mais integrados e conectados com os países vizinhos, como o Brasil, um grande parceiro para alavancar nosso turismo. O único limite somos nós mesmos”, ressaltou. “Estamos falando de um setor de mão de obra intensiva, um setor que conecta as pessoas e, por isso, deve ter prioridade absoluta nas agendas estratégicas”, comentou Santos, registrando que a Argentina é o sétimo país que mais cresceu no turismo em 2018.

 

Para Gustavo Hani, presidente da FIT, o turismo é atual, é o futuro e o desenvolvimento. “E a FIT é onde acontecem os negócios de nosso setor, onde são revelados interesses e as necessidades dos viajante, bem como a impressionante contribuição à nossa indústria, seja em termos de oportunidades de desenvolvimento econômico, geração de novos negócios, bem como conhecimento e prazer na experiência de viagem”, afirmou

 

Brasil protagonista

 

Os destinos turísticos brasileiros marcam presença na feira. Com 200 metros quadrados, o estande do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) conta com a presença de 24 co-expositores (14 destinos e 10 empresas). Curitiba, Bento Gonçalves, Gramado, São Sebastião, Pantanal (MS), Brasília, Salvador, São Miguel das Missões (RS), Ilhabela (SP), João Pessoa, Manaus, São Paulo e Canela (RS) são os destinos presentes no estande do Brasil.

 

Outro destaque fica por conta do número de destinos que contam com um estande próprio. Nesta edição, Bombinhas, Búzios, Balneario Camboriú, Ceará, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Alagoas, Florianópolis e Porto de Galinhas têm espaço exclusivo para divulgação.

 

Fonte: MTur

Brasil e Argentina pretendem melhorar frequência de voos e acesso às fronteiras

Em missão na Argentina, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, se reuniu ontem (4) com o ministro do Turismo da Argentina, Gustavo Santos, para debater ações integradas entre os dois países, como o reconhecimento mútuo de vistos chineses no âmbito do Mercosul, além da desregulamentação e maior agilidade do fluxo de turistas nas fronteiras.

 

O aumento da frota de navios para cruzeiros marítimos e a revisão das frequências de voos no acordo bilateral de serviços aéreos foram outros projetos debatidos durante o encontro. Na ocasião, estiveram presentes ainda representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da Secretaria de Aviação Civil (SAC) do Brasil.

 

A criação de um grupo de trabalho interministerial entre os dois países para acelerar o andamento destas ações, além de firmar novas parceiras até o fim deste ano, também foi negociado entre os dois ministros.

 

Principal emissor de turistas estrangeiros ao Brasil, a Argentina, segundo o ministro Marcelo Álvaro Antônio, sempre foi uma grande parceira do Brasil para alavancar o turismo, com geração de emprego e renda para ambas as nações.

 

“Tratamos de melhorias em diversos segmentos do turismo: mercado aéreo, vistos, cruzeiros marítimos, portos e acesso dos turistas a fronteiras entre os países vizinhos da América do Sul.

 

Nosso principal objetivo é trazer ainda mais turistas argentinos ao nosso país, fortalecendo a nossa economia e consolidando todo o potencial do turismo brasileiro em realidade. A parceria com a Argentina é nossa prioridade. Teremos muitas novidades até o fim do ano”, destacou Álvaro Antônio durante a reunião.

 

O ministro Gustavo Santos reafirmou o compromisso com o Brasil de tornar o turismo ainda mais forte e promissor, além de reiterar que o Brasil tem alcançado avanços significativos e em consonância com os objetivos traçados pela Argentina para o setor de Viagens. “O fluxo de turistas entre nós traz inúmeros benefícios para a economia, para a geração de emprego e inclusão social. Queremos estreitar ainda mais estes laços. Vamos trabalhar em conjunto em diversos acordos e entendimentos daqui para frente”, completou Santos.

 

Presente na reunião, o presidente da Embratur, Gilson Machado Neto, comemorou a intenção de tornar mais ágil o controle alfandegário nas fronteiras dos dois países, que por vezes chegam a demorar mais de oito horas. Ele reforçou ainda a importância de promover o Brasil no mercado internacional.

 

Machado Neto citou a nova campanha publicitária voltada para o mercado argentino, desenvolvida pelo Instituto e com apoio do MTur, que destacará o potencial turístico do Brasil, com ações que demonstram a diversidade cultural e a singularidade dos atrativos naturais brasileiros, focadas essencialmente nos turistas argentinos.

 

“Acreditamos que a Argentina é um nicho essencial para o crescimento do turismo em ambos os países. Há um interesse mútuo sendo consolidado ano a ano”, pontuou Machado.

 

FIT – A agenda do ministro do Turismo uainda segue em Buenos Aires. Na manhã deste sábado (5), o ministro Marcelo Álvaro Antônio participa da abertura da Feira Internacional de Turismo da América Latina (FIT), evento que reúne os protagonistas do turismo mundial com previsão de receber mais de 90 mil visitantes na edição deste ano.

 

Em 2018, 2,4 milhões de argentinos vieram para o país, o que representou 37,7% do total de visitantes estrangeiros.

Ministério do Turismo organiza criação de Sistema Nacional de Segurança Turística

O Ministério do Turismo realizou, nos dias 1º e 2 de outubro, o I Seminário de Segurança Turística, que debateu a criação de um sistema nacional na área a partir da integração de vários órgãos públicos e entidades. O encontro, que faz parte da primeira etapa de organização do projeto, identificou pontos de cooperação entre atores que possuem iniciativas relacionadas ao setor. Após esse diagnóstico, haverá a sistematização de políticas e ações que promovam o bem-estar de visitantes.

 

Participaram dos debates representantes dos ministérios do Turismo, da Justiça e Segurança Pública, do Desenvolvimento Regional e da Saúde, além da Anvisa e de órgãos estaduais e municipais. Durante dois dias, os gestores discutiram temas relacionados à hospitalidade, tais como saúde, defesa do consumidor e proteção da integridade física e patrimonial de turistas.

 

Presente ao evento, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, agradeceu a contribuição de todos os envolvidos.  “O turismo é multidisciplinar e vem se profissionalizando, assumindo um papel ativo nas políticas públicas de forma integrada. A participação de todos é essencial para se realizar um diagnóstico mais completo e eficiente”, ressaltou o ministro.

 

Bob Santos, titular da Secretaria Nacional de Integração Interinstitucional do MTur, responsável pela organização do seminário, afirmou que o Turismo encontra-se em um momento propício para ingressar na pauta da segurança. “O Ministério certamente saiu mais fortalecido desse evento. Não há como falar em turismo sem segurança, pois trata-se de uma variável de extrema relevância para a escolha de um destino”, frisou Santos.

 

Desde o início do ano, a Secretaria de Integração Interinstitucional do MTur tem promovido encontros sobre o Sistema Nacional de Segurança Turística. Em agosto, a Diretoria de Políticas e Ações Integradas, coordenada pelo coronel Luciano Puchalski, organizou o 1º Encontro de Segurança Turística, com a presença de representantes dos ministérios da Saúde, da Justiça e Segurança Pública e do Desenvolvimento Regional.

 

Fonte: MTur

Ministério do Turismo recebe grupo espanhol que estuda investimento bilionário no Brasil

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, recebeu ontem (2), em Brasília, o grupo espanhol Prima Empreendimentos Inovadores, que promete investimento bilionário no Brasil nos próximos 15 anos, com geração de emprego e renda. O objetivo do MTur é incentivar o investimento privado no turismo e atrair cada vez mais a atenção do mundo para o destino Brasil.  O embaixador da Espanha no Brasil, Fernando Casas Garcia, participou da audiência.

 

O grupo espanhol Prima possui vários investimentos no Brasil, como o Hotel Fasano, em Salvador, considerado um dos 100 melhores do mundo pela revista Time. A empresa possui planejamento estratégico pautado nas questões sociais e na proteção ambiental. Antes da execução de qualquer projeto, a empresa desenvolve ações que contemplam uma série de trabalhos sociais. O objetivo é preparar as comunidades locais para uma nova realidade a partir dos novos empreendimentos. Os novos projetos turísticos vão injetar, nos próximos 15 anos, R$ 3,3 bilhões de reais no litoral norte da Bahia, gerando mais de 10.500 empregos.

 

O ministro do Turismo reforçou o novo momento do Brasil, focado em desburocratizar gargalos que travam o desenvolvimento, e destacou as potencialidades do turismo no território brasileiro. Álvaro Antônio ressaltou ainda a disposição do governo federal em trabalhar em conjunto com a iniciativa privada para estimular o setor, uma das vertentes atuais na economia no país. “O foco do governo do presidente Jair Bolsonaro é acabar com gargalos que impedem o crescimento do Brasil. Avançamos bastante desde o início do ano e estamos trabalhando para transformar o Brasil numa referência para o turismo mundial”, afirmou.

 

Ao Grupo Prima, o ministro afirmou que o MTur vai trabalhar em conjunto com o Ministério da Infraestrutura e com o BNDES para analisar as demandas da empresa e marcar uma audiência conjunta para dar condições ao empreendimento que vai gerar muitos benefícios para a Bahia e para o Brasil. “Temos tudo para crescer no turismo e os números recentes nos mostra isso. Nosso interesse como governo federal é fazer com que o Brasil passe a fazer parte dos principais destinos turísticos do mundo”, disse.

 

De acordo com o diretor-presidente do Prima, Ruben Escartin, a intenção do grupo é não criar apenas um projeto, mas um destino turístico. “O Brasil possui um potencial turístico muito grande. No litoral norte da Bahia tem tempo bom quase o ano todo, não há fenômenos naturais, como tempestades ou furacões. Com uma infraestrutura adequada, o local pode ser tornar uma nova Riviera Francesa”, apostou.

 

Fonte: MTur