João Pessoa recepciona turista no aeroporto com festa junina

Quem pousa em João Pessoa (PB) nesta semana desembarca no clima de festa junina que toma conta do Brasil, especialmente do Nordeste, durante o mês de junho. Assim como os arraiais da capital e do interior da Paraíba, o turista já vai entrar no ritmo da sanfona, triângulo e zabumba logo que pôr os pés em solo paraibano.

 

As boas-vindas aos turistas no Aeroporto Castro Pinto são de forma animada para celebrar o período de São João. Desde o dia 18 e até hoje, os passageiros que desembarcarem no terminal paraibano, no período mais movimentado, das 12h às 16h, são recebidos com uma apresentação de quadrilha junina, formadas por casais matutos, ao som do forró pé de serra. A festa foi organizada pelo Prefeitura de João Pessoa em parceria com a Infraero.

 

A intervenção cultural faz parte de uma ação local para ampliar a divulgação do destino e promover a cultura regional como atrativo turístico. A ação ocorrerá na área de desembarque e contará com a entrega de informações das atividades juninas em João Pessoa, além de mapas de bolso da capital e material turístico sobre os principais atrativos da capital.

 

Fonte: Agência de Notícias do Turismo

 

São João em Petrolina espera injetar R$ 200 milhões na economia local

O São João de Petrolina (PE) começou na sexta (15) e vai até a segunda-feira (25), repleto de atrações juninas, comidas típicas e muita animação. O evento é uma tradição do município pernambucano e trará nove dias de festa aos amantes da época junina. De acordo com a prefeitura da cidade, o festejo receberá 800 mil pessoas e vai injetar cerca de R$ 200 milhões na economia local.

 

O município é um grande destino para que gosta de festejos juninos. O São João dos Bairros, que é uma prévia do grande evento junino de Petrolina, começou em maio e terminou em nove de junho. Agora, a emoção do “anarriê” estará concentrada no Pátio de Eventos Ana das Carrancas, onde se apresentarão artistas renomados. O local terá capacidade para receber até 100 mil pessoas por noite e conta com 10 restaurantes e 28 bares, além da vila cenográfica.

 

A semana junina mobilizará cerca de 900 profissionais de diferentes áreas. Para receber o público com conforto, foi montada uma estrutura montada com telões, camarote e cinco mil vagas de estacionamento. Os shows acontecem até 23 de junho e em ‪25 de junho, será o encerramento da festa, feito por meio da Missa do Vaqueiro, às margens do Rio São Francisco, que vai trazer a benção final a esse grande evento, rico em representatividade da cultura brasileira.

 

Os festejos juninos acontecem em várias cidades do Brasil. Para conhecer alguns deles, confira, clicando aqui, o Mapa de Festejos, do Ministério do Turismo. Todas as atrações do material fazem parte do Calendário de Eventos do MTur.

 

 

Fonte: Agência de Notícias do Turismo

No Maranhão, a festa é de São João de São Luís, de São Pedro e São Marçal

O São João de São Luís, que tem abertura oficial nesta quinta-feira (14), na capital do Maranhão, é assim mesmo, muito diferente.  Lá, além dos tradicionais São João e São Pedro, também se comemora São Marçal; e as quadrilhas dão lugar a um dos espetáculos mais emblemáticos da cultura brasileira: o Bumba Meu Boi que, associado a outras “brincadeiras” como o tambor de crioula e o cacuriá, tornam incomparáveis os festejos juninos ludovicences.

 

As barraquinhas já estão armadas pela capital maranhense, cujo centro histórico é tombado como patrimônio cultural da humanidade. Comidas típicas, manifestações culturais e o pleno envolvimento das comunidades são marca registrada das festas juninas do Maranhão que no ano passado movimentaram R$ 60 milhões, dos quais R$ 20 milhões em São Luis.

 

O Bumba Meu Boi é o carro-chefe do São João de São Luís. São mais de 100 grupos subdivididos no que o maranhense denomina de ‘sotaque’, que envolve variações de ritmos, indumentária e instrumentos musicais, segundo a secretaria de Turismo de São Luís. Os “bois” são integrados por pessoas da comunidade que passam o ano trabalhando em trajes ornamentados com incríveis bordados feitos a mão.

 

Durante a festa não dá para deixar de provar o que há de mais típico na gastronomia maranhense. O arroz de cuxá, o guaraná Jesus e o suco de bacuri estão entre os itens mais procurados nas barracas de palha dos arraiás dos bairros e do centro histórico. Tudo embalado pelos ritmos e danças característicos da cultura local: Tambor de Crioula, Cacuriá, Dança do Coco, Bambaê de Caixa, Dança do Lelê, Dança Portuguesa e Dança do Boiadeiro, entre outros.

 

14 06 18 SaoLuis1 RobertoCastro

 

“Foi graças ao convite do Ministério do Turismo que eu e os leitores do blog Esse Mundo É Nosso pudemos ver de perto um dos maiores espetáculos que já assisti ao vivo. A princípio, a ideia que eu tinha era de um São João como os demais no Nordeste, com fogueira, quadrilha e forró. E é aí que veio a maior surpresa da festa em São Luís”, conta o blogueiro Rafael Carvalho, que participou da festa no ano passado. Impressionado com a grandiosidade do Bumba meu Boi, ele fez analogia do amor do maranhense pelo boi com a relação que os cariocas têm com as escolas de samba.

 

A Secretaria de Turismo de São Luís recomenda uma consulta ao site do órgão para saber onde serão realizadas as manifestações que se espalham por toda a cidade. Para o turista tem também dicas sobre os principais atrativos turísticos da capital:  www.turismosaoluis.com.

 

O São João de São Luis também está no Mapa de Festejos Juninos do Ministério do Turismo. Fique por dentro dos eventos em 140 municípios brasileiros.

Em Campina Grande, na Paraíba, tem início o Maior São João do Mundo

Depois de uma semana de adiamento, Campina Grande, no interior da Paraíba, finalmente deu início na sexta-feira (8) ao Maior São João do Mundo. O nome não é um exagero, afinal a expectativa da prefeitura é que 2 milhões de pessoas passem pelo evento no Parque do Povo, repetindo o sucesso desta festa junina que atrai turistas de vários estados e movimenta a economia da cidade e região até o dia 8 de julho.

 

Novo layout do Parque do Povo e show pirotécnico na abertura são a marca desta edição da festa, realizada no mesmo local há 38 anos. Os atrativos são muitos: o parque abriga uma das maiores atrações do evento, que são os grandes shows com artistas renomados no cenário nacional. Elba Ramalho, Luan Santana, Fagner, Gusttavo Lima, Wesley Safadão e grupos regionais de forró e ritmos diversos vão marcar presença.

 

Levar uma lembrança da festa não será tarefa difícil. A Vila do Artesão abriga 77 chalés com mostra do mais genuíno artesanato nordestino: couro, barro, madeira, algodão e outras matérias primas se transformam em peças diversas nas mãos dos artesãos. A iniciativa reforça o lado social da festa, pois gera renda para as comunidades que vivem da produção artesanal.

 

O Maior São João do Mundo também propicia vivências com a cultura nordestina. Dar um pulo no Sítio São João significa voltar ao passado em um cenário cenográfico que relembra um vilarejo rural do século XIX, além de assistir atrações musicais com possibilidade de provar pratos típicos do período junino. Outro atrativo imperdível é o passeio na locomotiva do forró, que assim se apresenta: “Senhores passageiros com destino a Galante… Arrochem seus parceiros, soltem os quadris na batida da zabumba, comecem o sacolejo, porque o trem mais forrozeiro do Brasil vai partir!”

 

08 06 18 CampinaGrande2 GustavoMessina
São João de Campina Grande (Foto: Gustavo Messina)

 

Tem ainda o Arraiá do Cumpade, “uma imersão arretada na cultura matuta, onde os visitantes são envolvidos de forma sensorial pelo São João”, segundo a organização do evento. É para sentir o ritmo, ouvindo a música junina; aguçar o olfato com as comidas típicas e apreciar os costumes regionais. A festa conta também com eventos paralelos que movimentam Campina Grande e arredores nestes 30 dias de festejos.

 

Oportunidade para quem quiser ir à festa não vai faltar. O São João de Campina Grande se estende até o dia 8 de julho com atrativos cuja fama já extrapolou os limites do município, distante cerca de 140 Km da capital João Pessoa.

 

Fonte: Agência de Notícias do Turismo

Grupo de trabalho da Rota Bioceânica prepara estudos de logística e mercado

O encontro realizado na cidade argentina de Salta, nessa segunda e terça-feira (5 e 6.6), pelo Grupo de Trabalho Interinstitucional da Rota de Integração Latinoamericana (Rila) fixou um prazo de 30 dias para que os países integrantes do Corredor Bioceânico (Brasil, Paraguai, Argentina e Chile) apresentem estudos sobre as condições atuais de infraestrutura dos 2.396 Km – Campo Grande-Chile – e cenários de mercado (cargas e interesses comerciais).

 

O mesmo prazo foi fixado para que os quatro países apresentem um cronograma de atividades necessárias para concluir a infraestrutura da rota rodoviária em direção ao Pacífico, que, em operação, reduzirá em 20% o valor do frete e encurtará o caminho, hoje feito pelo mar, em 60%. A rede universitária também participa desse esforço de integração comercial, social e acadêmico definindo ações de combate aos possíveis impactos com a abertura do trecho.

 

“O Brasil possui as estradas já preparadas e temos que concluir a participação na construção da ponte de concreto que unirá o Brasil ao Paraguai, em Porto Murtinho”, informa o secretário de Estado de Infraestrutura, Helianey Paulo Silva, que participou da sexta reunião do Grupo de Trabalho. O encontro em Salta, segundo ele, recomendou a elaboração de um plano de logística para o corredor, cujo levantamento mais apurado definirá todas as demandas.

 

João Carlos Parkinson: confiança no projeto binacional. Foto: Sílvio Andrade

Interesses comerciais

Também presente à reunião, representando o governo do Brasil, o coordenador de Assuntos Econômicos Latinoamericanos do Ministério das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson, destacou os avanços na formatação das ações que exigem investimento financeiro e decisões políticas e reiterou sua confiança no projeto binacional. Ele disse que grandes grupos empresariais estão envolvidos na viabilização da rota, sobretudo nas questões aduaneiras.

 

”Com o apoio formalizado por essas empresas, os governos dos quatro países buscam criar uma maior coordenação entre as aduanas, para facilitar a tramitação das cargas, implantando soluções inteligentes e operacionalmente integradas”, explica Parkinson. Ele mostrou-se confiança, ao final da reunião, dizendo que as soluções de logística e aduana seguem no mesmo ritmo em que se começa a despertar os interesses comerciais no corredor.

 

Lançamento do asfalto

 

O governo do Paraguai anunciou oficialmente, na reunião em Salta, que no dia 21 de novembro o presidente do país, Horácio Cartes, assina a ordem de serviço para início das obras de pavimentação asfáltica de 300 Km da Rodovia Transchaco – de Carmelo Peralta, ao lado de Porto Murtinho, à fronteira com a Argentina. Até o fim do ano deverá ser licitada a segunda e última etapa do único trecho sem asfalto da rota, de 332 Km.

 

Rodovia Transchaco, que liga as fronteiras do Paraguai com MS e Argentina  (Foto: Paulo Cruz)

 

A cerimônia do ato presidencial ocorrerá na abertura da sétima reunião do Grupo de Trabalho Interinstitucional da Rota de Integração Latinoamericana (Rila), em Assunção. Nesse encontro, segundo João Carlos Parkinson, Brasil e Paraguai deverão apresentar um cronograma final do projeto de construção da ponte binacional sobre o Rio Paraguai, em Porto Murtinho. A conclusão do estudo de impacto ambiental, econômico e social está prevista para dezembro.

Isenção de imposto de importação gera empregos em parques temáticos

 Com a redução de imposto de importação para equipamentos de parques temáticos, anunciada hoje pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), o número de empregos do setor deve crescer cerca de 3% este ano, alcançando mais de 11.500 postos de trabalho. A isenção temporária autorizada pelo governo e realizada em duas etapas este ano, representa investimentos de R$ 30 milhões, segundo o Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat).

05 06 18 Aparecida Marco Ankosqui
Aparecida ganhará roda gigantes. Crédito: Marco Ankosqui

 

“Essa é mais uma vitória dentro de um esforço que o Ministério do Turismo vem fazendo junto aos demais órgãos do Governo Federal para sensibilizar sobre a importância do segmento de parques para a economia. Cada equipamento deste, além de gerar empregos diretos, com sua manutenção e operação, exige a contratação de trabalhadores temporários nas obras civis e montagem, por exemplo. Geramos emprego e renda para brasileiros, além de diversificar a experiência dos turistas”, afirmou o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

 

A resolução Camex nº 36, publicada hoje no Diário Oficial da União, zera temporariamente o imposto de importação para três tipos de equipamentos destinados a parques de São Paulo. O Magic Park, em Aparecida, um dos principais destinos de turismo religioso do país, ganha uma roda gigante, ampliando a opção de atrativos e a permanência dos turistas em romaria à cidade. Os outros são carrosséis que vão modernizar o Playcenter, localizado na capital paulista.

 

Para o presidente do Sindepat, Alain Baldacci, entidade que representa 18 parques temáticos, a redução do imposto “contribui para a modernização dos parques nacionais, gera empregos e estimula o investimento na ampliação e na criação de novos empreendimentos”. Segundo ele, o governo, com apoio do Ministério do Turismo, tem sido sensível as demandas do segmento.

 

Com a resolução, sobre para seis o número de equipamentos para parques de diversão que poderão ser importados com tarifa zero até outubro deste ano. Antes de aprovar o pleito do setor, a Camex constatou a inexistência de produção nacional e consultou o Ministério do Turismo que informou ser favorável à redução das alíquotas

 

 Economia do setor

 

Um estudo elaborado pelo Sindepat revelou que a redução de carga tributária pode resultar em um investimento de R$ 1,9 bilhão e gerar cerca de 56 mil empregos nos próximos cinco anos. Atualmente, os 18 estabelecimentos associados ao Sindepat geram 11,2 mil empregos diretos e movimentam cerca de R$1 bilhão na economia por ano.

 

Fonte: Agência de Notícias do Turismo

O mês inteiro será de “arraiá” em Caruaru, no Pernambuco

O que começou como uma reunião entre famílias que acendiam fogueiras, preparavam comidas feitas de milho, soltavam fogos de artifício e dançavam ao som dos trios de forró, tornou-se um dos maiores São João do Brasil. Caruaru (PE), distante cerca de 140 km de Recife, é considerada a capital do forró e os turistas não esperam menos da cidade que promete levar diversão para quem gosta de pular fogueira e não dispensa um arrasta pé. Será um mês de festa a partir desta sexta-feira (1) com direito a atrações típicas e muita música.

 

Na festança de Caruaru ninguém fica de fora, pois estarão espalhados pela cidade e na zona rural 22 polos com atrações juninas locais, regionais e nacionais. São esperadas 2,5 milhões pessoas – meio milhão a mais que no ano passado –  para curtir muito forró, estilo musical típico do Nordeste, e apresentações de artistas como Wesley Safadão, Geraldo Azevedo, Maiara e Maraísa, Aviões do Forró, Alceu Valença, Gabriel Diniz, Elba Ramalho, Luan Santana e Alcymar Monteiro.

 

O São João de Caruaru é um importante evento gerador de fluxo turístico que resulta em emprego e renda para o município e para Pernambuco. Segundo a prefeitura da cidade, a festa deve arrecadar R$ 200 milhões, o que representa um aumento de 25% em relação ao ano passado, quando foram angariados R$ 160 milhões. Além disso, o festejo pode gerar seis mil empregos diretos e indiretos.

 

“Essa é a maior festividade da região e movimenta toda a economia local com uma programação rica e diversificada para atender todo tipo de público, seja família com criança, jovens, os amantes do São João tradicional de bairros e na roça. Representantes da hotelaria e do trade turístico afirmam que não há nenhuma outra época que se compare ao São João”, explica diretora de Turismo de Caruaru, Kalliny Gomes.

 

Quadrilhas, decoração junina, salão de artesanato e comidas típicas são outros atrativos que farão o arraiá de Caruaru ser ainda melhor. Para o item “comida”, a sugestão é que os forrozeiros de plantão estejam preparados para aproveitar as guloseimas feitas em larga escala e distribuídas gratuitamente. O “arraiá” é famoso por oferecer as “comidas gigantes”, como o Maior Cozido de Milho na Manteiga, que leva 1, 5 mil espigas, ou o Maior Chocolate Quente, produzido com 700 litros de leite e 130 quilos de chocolate em pó.

 

No São João também tem espaço para homenagear importantes personagens da história que representam as vertentes artísticas e culturais do município. São eles: o escritor e compositor Nelson Barbalho, o colunista social Jotta Lagos, o organizador de eventos Zé Lucía do Palhoção, a poetisa e compositora Fátima Marcolino e a boleira Maria do Bolo.

 

Clique aqui e tenha acesso ao site da prefeitura.

Destinos para curtir o inverno pelo Brasil; saiba mais sobre esses locais

Oficialmente o inverno só começa no dia 21 de junho, mas as baixas temperaturas já permitem que os turistas vistam o casaco para curtir o friozinho das serras e de outros locais que oferecem atrativos naturais e festivais de música e gastronomia. Até agosto, os meses mais frios do ano movimentam os viajantes que curtem temperaturas amenas em várias regiões do Brasil.

 

No Sul e Sudeste são encontrados tradicionais destinos da estação. Bento Gonçalves, no Vale dos Vinhedos, a dobradinha formada por Gramado e Canela, na serra gaúcha; São Joaquim e suas vizinhas da neve, na serra catarinense; a trinca Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, na região serrana do Rio de Janeiro e Campos do Jordão (SP), na Serra da Mantiqueira, são alguns deles.

 

A histórica Ouro Preto (MG) realiza entre os dias 6 e 22 julho, o 51º Festival de Inverno, um dos mais tradicionais do Brasil. A festa de Ouro Preto conta com shows e exposições nas ruas de casario colonial e igrejas barrocas, além da tradicional cozinha mineira. A estação termal de Poços de Caldas, também em Minas Gerais, é outro destino de inverno para quem gosta de relaxar nas águas quentes ou se aquecer nas noites com música e vinho. O Blues & Jazz Festival, entre os dias 19 e 22 de julho, terá como palco a Antiga Estação Ferroviária de Poços de Caldas com os tradicionais chocolates, queijos e vinhos.

 

Já a catarinense Joinville realiza seu 36ª Festival de Dança entre 17 e 28 de julho. O roteiro turístico integra dança, cerveja, gastronomia e arquitetura alemã. Em Blumenau, também de cultura europeia, o Festitalia, em julho, e Sabores de Santa Catarina, em agosto, são dois festivais dedicados à culinária durante o inverno, e seguem o clima do Internacional Beer Festival, no final de junho, para quem quiser antecipar o espírito da Oktoberfest, a maior de todas as festas do estado, que será realizada em outubro.

 

Festival de Inverno de Garanhuns no ano passado. Crédito: Divullgação/FIG

 

No Nordeste, onde as quatro estações do ano se confundem com o verão, também há destinos para se curtir o friozinho do inverno. Guaramiranga, no Maciço do Baturité, a 100 km de Fortaleza, tem uma agenda de eventos o ano inteiro. A temporada de inverno começa com os festejos juninos e continua com a virada cultural, mostra de teatro e shows folclóricos. A vizinha Pacotí encerra a temporada, em agosto, com o festival Café, Chocolate e Flores. O roteiro de clima ameno e paisagem singular na região serrana cearense tem atrativos históricos, culturais, de natureza e aventura.

 

O turista que gosta de fugir do óbvio também poderá subir as serras de Gravatá e Garanhuns, em Pernambuco, e se deliciar com o clima frio e atrações quentes nas noites do inverno pernambucano. Em sua 28ª edição, o Festival de Inverno de Garanhuns, de 19 a 28 de julho, é considerado um dos principais eventos culturais de Pernambuco e atrai turistas de todo o Brasil. Já no Centro Oeste, Bonito (MS) também é um dos paraísos de inverno para quem busca temperaturas amenas em contato com a natureza, além de poder nadar com os peixes nos rios e piscinas naturais. A serra do Tepequém (RR), a 200 km de Boa Vista, está entre os destinos mais frios da região Norte.

 

Banhos de cachoeiras e cavalgadas são alguns dos programas favoritos dos turistas que visitam Penedo (RJ), além de queijos e vinhos com um toque nórdico são as principais características da antiga colônia finlandesa. O turismo romântico também faz parte dos dias frios de Visconde de Mauá (RJ) e Monte Verde (MG), ambas na Serra da Mantiqueira. Entre as capitais, Curitiba (PR) é uma das mais frias e oferece atrações como parques urbanos, atividades culturais e gastronomia diversificada. A descida da Serra do Mar de trem até a histórica Morretes para degustar o barreado, prato típico local, é um dos programas de inverno favoritos de quem visita Curitiba.

 

Fonte: Agência de Notícias do Turismo

Banco Central: gastos de estrangeiros no Brasil cresceram 19,6% em abril

Os turistas internacionais que visitaram o Brasil em abril gastaram US$ 499 milhões nos destinos brasileiros, um salto de 19,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando a receita cambial do turismo alcançou US$ 417 milhões. No acumulado do ano o resultado também foi positivo com crescimento de 7,52%. A soma das receitas de janeiro a abril é de US$ 2,43 bilhões, frente a US$ 2,26 bilhões registrados no mesmo período de 2017.

 

Barco navega com turistas sobre o rio Solimões dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (Foto: David Rego Jr.)

 

 

O percentual de 19,63% de aumento da receita em abril, representa o maior percentual ano, superando janeiro, fevereiro e março. “Termos resultados melhores que o ano passado é um bom indicativo, já que 2017 foi um ano de recorde no número de estrangeiros em visita ao Brasil”, comenta o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz.

 

Os dados do Banco Central mostram também que houve aumento no gasto do brasileiro lá fora (US$ 1,53 bilhão), de mais 16% na comparação com abril de 2017. No acumulado do ano, a despesa cambial do turismo subiu de US$ 5,79 bilhões para US$ 6,47 bilhões, acréscimo de 11,58%. Os números referem-se aos gastos com cartão de crédito e trocas oficiais de moeda.